4ª Convenção do Bloco de Esquerda - Foto de Paulete MatosNa sua última reunião, no passado Sábado 24 de Fevereiro, a mesa nacional do Bloco de Esquerda convocou a 5ª Convenção Nacional para os próximos dias 2 e 3 de Junho e aprovou o respectivo regulamento. Convocou também o 4º Encontro do Trabalho para 31 de Março e 1 de Abril, aprovando o respectivo regulamento. Realizou ainda um balanço do referendo à despenalização do aborto e aprovou uma resolução política que publicamos aqui. 

Em documentos do Bloco de Esquerda pode aceder aos documentos aprovados na mesa nacional, em pdf:

Regulamento da 5ª Convenção Nacional

Regulamento do 4º Encontro do Trabalho

Balanço ao referendo pela despenalização do aborto

Resolução política

Transcrevemos a resolução política aprovada:

As responsabilidades do Bloco de Esquerda depois do referendo à despenalização do aborto

1. O referendo à despenalização do aborto, realizado há duas semanas, comprovou a existência de uma ampla maioria para a mudança do Código Penal, que deve passar a permitir a decisão da mulher sobre a interrupção de uma gravidez não-desejada nas primeiras dez semanas.

O Bloco de Esquerda defendeu a realização deste referendo como o instrumento necessário para mudar a lei. A campanha do referendo demonstrou que era possível organizar uma aliança pelo Sim de muitos sectores sociais e políticos, que era possível determinar os termos do debate através de uma campanha concentrada e clarificadora e que era possível mobilizar milhões de eleitores para mudar a lei.

A derrota do conservadorismo foi assim muito profunda e tem grandes consequências culturais e políticas que influenciarão a agenda da luta pelos direitos sociais e democráticos.

O Bloco de Esquerda empenha-se agora na concretização da lei, que deve corresponder integralmente à pergunta referendada, sabendo-se que novos obstáculos serão levantados pelos derrotados do referendo, seja através da objecção de consciência no SNS seja através de manobras políticas de recurso.

2. A decisão do Governo Regional da Madeira de provocar eleições antecipadas cria uma crise artificial para tentar ganhos políticos de curto prazo na base de uma campanha populista e plebiscitária. O Bloco de Esquerda apresentará a sua candidatura e o seu programa nestas eleições com o objectivo de fazer crescer a representação da esquerda socialista na Madeira.

O Bloco rejeitou a proposta do Governo PS para a nova lei das finanças regionais, porque esta proposta viola a autonomia regional e porque não era nem responsável nem exigente com a fantasia orçamental que contabiliza os valores da especulação financeira na Zona Franca - que não paga impostos nem cria emprego - como produto da região, determinando assim a perda injustificada de apoios comunitários e nacionais.

O voto no Bloco de Esquerda na Madeira representa assim a rejeição desta lei, como representa o combate frontal contra o governo de Alberto João Jardim, que é responsável pela crise social no arquipélago.

3. A Câmara Municipal de Lisboa atravessa uma grave crise política. A ingovernabilidade e o descrédito do Executivo da maior cidade do país foi provocada pela incompetência, irresponsabilidade e opacidade do PSD. Carmona Rodrigues não conseguiu assegurar o acordo da maioria com o CDS/PP, procurou desvalorizar a crise e não encontrou soluções credíveis e sustentáveis e resiste a esclarecer os vários negócios que envolvem a autarquia e promotores imobiliários.

A direcção do PSD está isolada na sua teimosia em sustentar à frente do município o presidente Carmona Rodrigues. Os lisboetas e o país exigem que os responsáveis pela crise criem as condições necessárias para que os cidadãos sejam chamados a decidir sobre uma nova solução para Lisboa.

4. Ao longo da campanha pelo referendo, o Bloco manteve a sua iniciativa como força de oposição. O referendo não constituía uma trégua política, e foi por isso que o Grupo Parlamentar do Bloco convocou o governo para uma interpelação sobre os escândalos da política de gestão do território e a devastação que os negócios do turismo está a provocar na costa alentejana e algarvia, em Setúbal ou no Norte do país.

Durante esta última semana, o Bloco apresentou os seus projectos de lei sobre o combate à corrupção, incluindo uma medida fundamental de nacionalização das mais valias especulativas obtidas com a reclassificação de solos rurais em solos urbanos.

5. A prova mais clamorosa das escolhas do Governo Sócrates é o número oficial do desemprego que, segundo o INE, é o mais elevado dos últimos 20 anos. O número de desempregados da estatística oficial ultrapassa os 450 mil e cresceu em 2006. Esse resultado não é um fracasso das políticas sociais do Governo, este resultado é a política social do Governo.

O Bloco de Esquerda promoveu em Setembro passado uma Marcha pelo Emprego, apresentando propostas para a mobilização dos desempregados e de todos os trabalhadores e opondo-se nomeadamente à desarticulação dos serviços públicos e aos despedimentos na Função Pública com a lei dos supranumerários e as anunciadas reformas em termos de vínculos e carreiras na Administração Pública. A luta pelo emprego e pelos direitos sociais continua a ser a prioridade fundamental para a oposição à política liberal, que é socialmente irresponsável. O Bloco promove a realização do seu Encontro Nacional do Trabalho nos dias 31 de Março e 1 de Abril.

O Bloco apoia as manifestações sindicais que nas próximas semanas elevam as razões do protesto social.

Mesa Nacional do Bloco de Esquerda, 24 de Fevereiro de 2007

XI Convenção do Bloco de Esquerda

Folheto Nacional

folhetobloco201807

Propostas do Bloco para a habitação

adere

Vídeos

Tempo de Antena - Março 2018

resolucoes

 

videos bloco

 

tempos antena

Esquerda Europeia

Ler manifesto em inglês ou francês