quarta-feira, 23 fevereiro 2022 18:33

Não à agressão imperialista da Rússia. Por uma Ucrânia integral e neutral

Comunicado da Comissão Política do Bloco de Esquerda sobre a situação na Ucrânia.

 

NÃO À AGRESSÃO IMPERIALISTA DA RÚSSIA. POR UMA UCRÂNIA INTEGRAL E NEUTRAL

1 - A Resolução aprovada pela Mesa Nacional do Bloco de Esquerda, na sua reunião de 5 de fevereiro, alertava a) que o reforço da máquina de guerra da NATO, a pretexto das manobras militares do imperialismo russo, põe em perigo a paz na Europa; b) que a Rússia deve incondicionalmente respeitar a integridade territorial da Ucrânia.

2 - Perante a anexação do Donbass, o Bloco condena a aventura militar de Putin, aliás acompanhada de um discurso imperialista que nega o direito da Ucrânia à existência como Estado independente. Trata-se da rejeição dos Acordos de Minsk, violados por ambas as partes ao longo dos anos. Esta anexação configura, sem margem para dúvidas, uma ruptura com o processo anterior, a partição do território da Ucrânia, cujas fronteiras são reconhecidas pelas Nações Unidas, totalmente à revelia do direito internacional. A atuação de Putin só encontra acolhimento significativo em conhecidas personalidades da extrema-direita europeia.

3 - As ditas Repúblicas de Donetsk e de Lugansk nunca tiveram qualquer processo de autodeterminação nacional que as qualificasse para soluções individuais e são agora, de facto, territórios sob domínio da Federação Russa.

4 - Portugal deve condenar a aventura militar de Putin e demarcar-se dos posicionamentos de apoio aos EUA e à expansão da NATO, podendo apoiar a aplicação de sanções aos dirigentes russos, aos oligarcas seus apoiantes e respetivas companhias internacionais, oferecendo a sua solidariedade política e diplomática à Ucrânia para a preservação do seu território. O governo português deve, no quadro da União Europeia, insistir na via diplomática para definir termos de cessar fogo no Donbass e para a convivência na região.

5 - Manifestamente, a imposição americana de armamento e bases da NATO ao longo das fronteiras da Federação Russa resulta num agravamento das tensões e numa escalada do conflito à maneira da Guerra Fria. O Governo português deve atuar para que a Ucrânia possa ter um estatuto de facto congénere ao da Finlândia - de neutralidade respeitada. É numa tal solução, aceitável por todas as partes, que as diplomacias europeias deveriam empenhar os seus esforços.

Lisboa, 23/2/22

A Comissão Política do Bloco de Esquerda

Partilhar


Grupo Parlamentar

Grupo Parlamentar Bloco de Esquerda

Notícias

esquerdanetlogo

Adere

adere

Programa eleitoral

programa2022a

13convlat1

BANNER CONFERENCIA 2022

resolucoes

 

videos bloco

 

tempos antena

Pão e Cravos

Pao Cravos WebA Instagram